Lido: Aqueles cães malditos de Arquelau

AQUELES_CAES_MALDITOS_DE_ARQUELAU_1231951101P

Esse livro ganhou o prêmio Jabuti. Você deve pensar: nossa, então é um best-seller ! Não é. Eu não conheço ninguém mais que o tenha lido, e mesmo no Skoob, um ninho de bibliófilos, ele tem escassos 43 leitores.

O que é uma pena. O livro é muito bom. Ambientado na Itália nos anos 60, é narrado em primeira pessoa por Emílio, um psiquiatra que juntamente com a sua turma de amigos, que incluem psicólogos, historiadores da arte e estudantes de literatura antiga, tem uma paixão “neurótico-deliquencial” por qualquer coisa que tenha informação escrita e organizam expedições de fim de semana atrás de textos antigos e boa comida.

E é numa dessas expedições que eles encontram a casa de um misterioso “bispo vermelho” que viveu na Idade Média e sobre quem nada se sabe. Num golpe de sorte, eles descobrem alguns escritos dele, e aí a busca pela sua identidade torna-se o tema principal do livro.

A chave para achar a identidade do “bispo vermelho” é um escrito dele que versa sobre Eurípides, o famoso dramaturgo grego. A partir da tradução que Emílio faz da obra é que a busca pelo misterioso personagem se desenrola, com a participação dos amigos dele. Se você não sabe nada sobre Eurípides, não se desespere. Depois de ler esse livro você saberá tudo sobre ele.

Entre uma pesquisa e outra, os personagens comem. E comem um bocado. E o autor aproveita as discussões filosóficas a mesa para explicar alguns conceitos interessantes, como quando faz uma relação interessante entre a elaboração de uma nova forma de preparar um faisão e a epistemologia. Conselho: não leia esse livro com fome. Ela vai aumentar.

Mas o melhor mesmo está reservado para o final. Eu não tenho outra palavra para descrever esse final que não seja estupendo. É um final de certa forma surpreendente, mas coerente com o resto do livro e escrito com rara sensibilidade. Vale a pena ler o livro só pelo seu final, tenho certeza.

Só mais uma observação sobre esse livro: é por causa dele que esse blog se chama Depokafé. Para ser mais específico, por causa desse trecho:

Lorenzo só apareceu no Galilei dois dias depois, na hora do café. Deu um beijo sonoro na face de Luciana, porque naquela manhã “estava parecida com a Sibila Délfica”, pendurou-se no ombro de Abelardo e resumiu sua expedição a Asti: “Meus caros, fui, vi e venci !”

“Sabemos, por enquanto, que você foi” disse Beatrice.

“Mulher de pouca fé ! Vi coisas espetaculares !”

É um trecho besta, eu sei, mas não sei porque eu gostei dele e passei a usar a expressão “de pouca fé” para tudo. Quando fui criar o blog, não tinha outro nome que eu pudesse escolher… Alegre

Veredito: Um excelente livro, com uma trama intelectual e um final primoroso. Nota dez, e ainda é pouco.

About these ads

6 comentários sobre “Lido: Aqueles cães malditos de Arquelau

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s