Lésbicos em fúria

Aviso: esse texto NÃO é sobre um filme pornô com o Alexandre Frota ou algum ex-BBB decadente (pleonasmo ?).

Lesbos é uma ilha do mar Egeu que faz parte da Grécia. Tem cerca de 100 mil habitantes. Todos lésbicos e lésbicas. No sentido de que nasceram em Lesbos e não por causa de sua opção sexual, é claro.

No século VI ou VII a.C. viveu em Lesbos a poetisa Safo. Ela deixou para a posteridade alguns – tá bom, muitos – poemas em que exalta o amor entre mulheres. Talvez meu prezado leitor e minha nobre leitora suportem um trecho de um deles (se você se interessou há mais poemas dela aqui):

“Ditosa que ao teu lado só por ti suspiro!
Quem goza o prazer de te escutar,
quem vê, às vezes, teu doce sorriso.
Nem os deuses felizes o podem igualar.

Sinto um fogo sutil correr de veia em veia
por minha carne, ó suave bem querida,
e no transporte doce que a minha alma enleia
eu sinto asperamente a voz emudecida.

Uma nuvem confusa me enevoa o olhar.
Não ouço mais. Eu caio num langor supremo;
E pálida e perdida e febril e sem ar,
um frêmito me abala… eu quase morro… eu tremo.”

Foi por causa de poemas desse quilate e pelos relatos que Safo teria um relacionamento, digamos, íntimo com suas alunas, que o termo “lésbica” passou a designar não somente as moradoras da ilha de Lesbos mas também qualquer pessoa do gênero feminino que sinta atração sexual por pessoas do mesmo gênero.

Agora corta para o século XXI. Essa época maravilhosa onde os mitos caem, onde tudo é novo e desconhecido. Uma época em que os lésbicos (os moradores de Lesbos) resolveram se revoltar contra o – segundo eles – mau uso do termo “lésbica”.

Três cidadãos de Lesbos acabaram de entrar com uma ação na justiça grega para impedir o uso da palavra lésbica para qualquer outro fim que não seja designar as moradoras de Lesbos. De acordo com eles o uso incorreto do termo causa constrangimentos ao povo lésbico. O primeiro alvo escolhido para a ação foi a Comunidade Homossexual e Lésbica Grega, que eles exigem que mude de nome. O próximo passo será a Corte Européia de Direitos Humanos, para tentar o mesmo com todas as associações lésbicas na União Européia.

De acordo com um dos impetrantes da ação, Dimitris Lambrou, o mito de Safo é incorreto, pois ela teria cometido suicídio por causa de um amor não correspondido por um homem. É exatamente isso que você está pensando, meu caro leitor, minha prezada leitora. Para Dimitris, Safo não era lésbica. Quer dizer, era lésbica porque nasceu em Lesbos, não porque fosse uma pessoa do gênero feminino que sentia atração sexual por pessoas do mesmo gênero. Complicado, não ?

O sr. Dimitris só não explicou se Safo seria então bissexual, já que uma pessoa que escreve poemas como aquele ali em cima e ao mesmo tempo se mata por causa de um homem não poderia ser heterossexual de jeito nenhum.

Se Dimitris e seus amigos ganharem na justiça a coisa vai ficar preta para as pessoas do gênero feminino que sentem atração sexual por pessoas do mesmo gênero. Por qual outro termo elas poderão se auto-designar ? O brilhante jornalista brasileiro Ivan Lessa (vida longa e saúde a ele !) na sua coluna sobre o assunto na BBC Brasil sugeriu alguns nomes: sáficas, lésbias, lesbianas, lesbíacas ou safistas, mas, convenhamos, nem ele mesmo acha que esses novos nomes vão pegar.

O que vai acontecer ? Absolutamente nada. Os lésbicos (os moradores de Lesbos, caso você já esteja perdido no texto) podem ganhar em todos os tribunais do mundo que o termo já está mais do que consagrado. O máximo que vão conseguir vai ser mudar o nome das associações pró-lésbicas (e das contra também). No dia a dia o povão vai continuar chamando as pessoas do gênero feminino que sentem atração sexual por pessoas do mesmo gênero de lésbicas. Que é bem melhor do que usar o chulo “sapatão”, pois pelo menos tem um contexto histórico. Ou não, se o Dimitris estiver certo.

Anúncios

3 comentários sobre “Lésbicos em fúria

  1. Eu li alguma coisa sobre essa ilha numa edição especial da revista Super Interessante sobre Mitologia Grega, já faz uns anos, mas nunca tinha lido nenhum poema dela.
    Pra ser sincera, seria mais do que natural se Safo fosse realmente bissexual. O amor com homens e mulheres ao mesmo tempo é perfeitamente administrado com quem tem certeza dos seus sentimentos e está seguro do que quer.
    Relacionamentos com ambos são experiências distintas, um oferece o que o outro não pode dar, e assim segue. Safo deve ter tido inspiração pra muitos de seus poemas enquanto convivia emocionalmente com os dois sexos que a cativavam.
    Quanto à palavra “lésbica”, quando um termo é modificado para algo muito além de seu significado original, entende-se o porquê de ficarem bravos, mas à essa altura, concordo que será difícil desassociar a palavra com o que conhecemos atualmente.
    É a mesma coisa com a suástica. Ela era um símbolo místico de boa sorte, antes de ser empregada e difundida pelos nazistas, tornando-a um símbolo da repressão e do racismo , como a maioria ainda a considera.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s