Pequenas biografias de grandes figuras: Emílio de Menezes

Emílio Nunes Correia de Meneses (1866-1918) foi um alcóolatra, contador de piadas, poeta e jornalista brasileiro. Foi também escolhido para a Academia Brasileira de Letras, mas não chegou a tomar posse.

emilio de menezes

Emilio, quando ainda estava em forma

 

Filho de uma família abastada de Curitiba, mudou-se para o Rio de Janeiro e tornou-se jornalista. Ficou célebre pelos seus poemas e sonetos satíricos. Foi também um piadista de primeira, a ponto de na sua época a frase “essa é do Emílio de Menezes” ser garantia de que a piada era boa. Muitas de suas pilhérias foram criadas de improviso, como nesses dois exemplos tirados desse livro:

Passava uma senhora cheia de jóias  e alguém observou:

– Que beleza de brilhantes leva aquela dama…

E Emílio, na hora:

Podem ser di…amantes.

Mais uma:

Emílio está numa festa e uma moça faz uma pergunta para provoca-lo:

– Sabe quais são os encantos da mulher ?

– Sei-os, minha senhora.

Aos 22 anos Emílio enriqueceu apostando na política do encilhamento de Ruy Barbosa, que então era ministro da Economia, mas depois perdeu tudo quando a coisa desandou (isso que dá colocar um intelectual para cuidar de dinheiro). Mas, enquanto foi rico, Emilio abusou das festas, com muita comida e vinhos caros. E mandou gravar numa joalheria uma versão de seu livro com páginas folheadas a ouro.

Foi preterido quando da fundação da Academia Brasileira de Letras por causa do seu estilo boêmio de viver. Mas em 1914 foi eleito para ocupar a vaga de Salvador de Mendonça. Mas Emílio escreveu um discurso de posse em que dizia que não entendia o que o seu antecessor escrevia ! O discurso foi obviamente recusado pela Academia, e Emílio não chegou a tomar posse oficialmente da honraria.

Aos 50 anos o excesso de bebida começou a cobrar seu preço. Emílio emagreceu muito e foi ficando cada vez mais incapacitado. Morreu aos 52 anos, mas não perdeu o bom humor nos momentos finais. Consta que suas últimas palavras foram:

Fiquem tranquilos porque estou apenas enganando os vermes. Eles esperam mais de cem quilos de banha, e estou levando ossos duros de roer.

Anúncios

3 comentários sobre “Pequenas biografias de grandes figuras: Emílio de Menezes

  1. SONETO A EMILIO DE MENEZES – In Memoriam – Falecimento do poeta em 6.6.1918 –

    Ialmar Pio Schneider

    Só li alguns sonetos do poeta
    de Curitiba, que se radicou
    no Rio de Janeiro, cuja meta
    seria a boêmia que frequentou.

    “Noite de Insônia”, tanto o castigou,
    sem ter no leito a musa predileta,
    que no soneto muito lamentou,
    por ela ser sua mulher dileta.

    “A Romã” foi a fruta que escolheu
    para exaltar nos versos de nobreza,
    como se fosse uma rainha altiva…

    No “Salto do Guaíra” enalteceu
    a exuberante e linda natureza,
    qual se pintasse uma paisagem viva !

    http://www.sonetos.com.br/sonetos.php?n=18648

    Porto Alegre – RS, 6 de junho de 2011 – às 13h30min.
    – Tristeza

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s